Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Amamentação \ Pesquisas \ Artigo

ALERTA: DOMPERIDONA como GALACTAGOGO e TRATAMENTO de REFLUXO

Por: Prof. Marcus Renato de Carvalho, IBCLC

 /

Uso da domperidona como um galactogogo

Dr. Yechiel Moises Chencinski para o Instituto Girassol

                          Uma revisão realizada na França (dados do PubMed até julho de 2013) avaliou o índice de custo benefício do uso da domperidona para estimular o aleitamento materno, visto que sua ação nesse campo é amplamente divulgada, porém não há aprovação oficial para essa sua utilização.

Entre 4 estudos que atestaram sua eficácia e comprovaram um aumento da produção de leite, a qualidade metodológica moderada de um deles e a amostragem baixa (60 pares mãe-bebês) se mostraram insuficientes para concluir sobre sua real eficiência.

Em relação à segurança, 7 estudos foram selecionados 113 bebês expostos ao uso da domperidona através leite materno. Em 85 casos não foi descrito nenhum efeito colateral e os efeitos nos outros 28 não foram informados. Apesar de limitada, a amostragem aponta para um perfil de segurança no seu uso, tanto para mães quanto para bebês.

Porém, em amplos estudos que focavam problemas gastrintestinais, a domperidona está incluída em um grupo de drogas que podem induzir a Síndrome do QT longo e morte súbita cardíaca, especialmente em mulheres, fato que torna preocupante sua utilização rotineira como galactogogo.

Os autores concluem que um aperfeiçoamento nas práticas e técnicas de aleitamento pode ser mais efetivo e mais seguro do que o uso não aprovado da domperidona.

Comentários:

A domperidona é usada tanto como galactogogo como para o tratamento de doença de refluxo gastroesofágico (DRGE). Sua inclusão no grupo de drogas potencialmente causadoras de Síndrome do QT longo com risco morte súbita cardíaca tornam essa prática de risco (mesma situação relacionada à utilização da cisaprida, com utilização suspensa após essa mesma comprovação em DRGE).

O Departamento de Saúde do Governo da Austrália (TGA - Therapeutics Goods Administration  – 2012), a Organização Mundial de Saúde (WHO), em colaboração com o Centro Internacional de Monitoramento de Drogas da Suécia (2013) e Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency (MHRA) do Governo do Reino Unido (2014), em uma atualização de segurança em drogas, são firmes em duas recomendações:

Usar a menor dose eficaz em adultos, pelo menor tempo possível.
Crianças não devem usar domperidona.

Assim, a utilização da domperidona como galactogogo vai contra essas duas recomendações.

Publicação: Journal of Human Lactation
Fonte: Catherine Paul, Marie Zénut, Agnès Dorut, Marie-Ange Coudoré, Julie Vein, Jean-Michel Cardot, David Balayssac. Use of Domperidone as a Galactagogue Drug - A Systematic Review of the Benefit-Risk Ratio.
J Hum Lact February 2015 vol. 31 no. 1 57-63   DOI: 
10.1177/0890334414561265

 

CFF ALERTA

Domperidona: risco de arritmia ventricular

e morte cardíaca súbita

 

Tradução, adaptação e edição: Cyro Caldeira e Rogério Hoefler
Revisão: Marco Sant' Anna e Rogério Hoefler

 

                             Domperidona (Domperix® - Eurofarma; Motilium®- Janssen-Cilag) é antagonista de dopamina com propriedades antieméticas, empregada no tratamento de náuseas, vômitos, desconforto epigástrico e abdominal, e regurgitação (motivo pela qual é utilizada nos tratamentos de doença do refluxo gastresofágico [DRGE]). 1

Alguns estudos epidemiológicos 2-5 demonstraram que a domperidona está associada a um aumento no risco de arritmia ventricular grave e morte cardíaca súbita. Esses riscos podem ser mais significantes em pacientes com idade superior a 60 anos 3 e em pacientes que recebem doses orais diárias superiores a 30 mg. 2

Embora a domperidona seja muito prescrita para o tratamento de DRGE, tal abordagem terapêutica tem fundamento em limitadas evidências científicas; nestes casos, recomenda-se o uso de um inibidor da bomba de prótons (ex.: omeprazol, lanzoprazol, pantoprazol, etc) e/ou antagonista do receptor H2 (ex.: ranitidina, famotidina, etc.).6

De acordo com La Revue Prescrire, uma revista francesa independente de renome internacional, é inaceitável expor pacientes com simples refluxo gastresofágico ou náusea e vômito a um risco de arritmia ventricular grave e morte súbita, por isso, o uso de domperidona deveria ser evitado. Se medidas de estilo de vida forem insuficientes para controlar refluxo gastresofágico, os pacientes podem ser tratados com antiácido ou inibidor da bomba de prótons. Também não se justifica o uso de domperidona como indutor de lactação (uso off-label). 7

Um alerta divulgado pela Health Canada (agência reguladora canadense), em março de 2012, advertiu sobre riscos cardíacos associados ao uso de domperidona. No alerta, os fabricantes deste medicamento informaram os profissionais da saúde daquele país sobre os riscos e recomendaram início do tratamento com a menor dose possível em adultos, incluindo aqueles com doença de Parkinson. Se necessário, a dose pode ser aumentada com cautela até alcançar o efeito esperado, conquanto que o benefício do aumento da dose supere os potenciais riscos ao paciente. O alerta também ressaltou o aumento do risco de prolongamento do intervalo QT quando a domperidona é associada a inibidores da CYP3A4 (ex.: fluconazol, cetoconazol, eritromicina, etc) em razão do aumento da concentração plasmática do antiemético.8

Com base nas evidências trazidas à tona pelos estudos e alertas analisados, é importante que os profissionais da saúde e os pacientes sejam advertidos sobre os riscos associados ao uso de domperidona, visando sempre o uso racional do medicamento. Entre as medidas de segurança que devem ser levadas em consideração, estão:

• Evitar o uso de domperidona em situações clínicas para as quais sua eficácia e segurança não foram devidamente demonstradas, tais como doença de refluxo gastresofágico e como indutor de lactação.

• Os prescritores devem estar atentos a pacientes que apresentam fatores de risco como:

- prolongamento de intervalos da condução cardíaca (em especial o QT); 
- alterações eletrolíticas significantes;
 
- problemas cardíacos como insuficiência cardíaca congestiva e que recebem medicamento para tais condições, particularmente aqueles com idade superior a 60 anos e que recebem dose oral de domperidona superior a 30 mg/dia.
- A domperidona deve ser evitada em pacientes que já usam fármacos que promovem prolongamento do intervalo QT, tais como: 5


- Antieméticos: bromoprida, granisetrona, metoclopramida, ondansetrona.
- Cardiovascular: indapamida.
- Antibacterianos: claritromicina, eritromicina, sulfametoxazol, trimetoprima.
- Antipsicóticos: clorpromazina, droperidol, haloperidol, pimozida.
- Antidepressivos: amitriptilina, clomipramina, doxepina, mianserina.
- Antimaláricos: cloroquina, halofantrina.
- Anti-histamínicos: difenidramina, dimenidrinato, prometazina.
- Outros: pentamidina, tacrolimo.

 

Os pacientes devem ser advertidos a procurar cuidado médico imediato caso surjam sintomas como síncope ou taquicardia durante o tratamento.

 

Traduzido e adaptado de: MHRA. Domperidone: small risk of serious ventricular arrhythmiasudden cardiac death. Drug Safety May 2012, vol 5 issue 10: A2. Disoponível em: http://www.mhra.gov.uk/Safetyinformation/DrugSafety/CON152725. Acesso em: 06.07.2012.

 


Referências:


1. British Medical Association, Royal Pharmaceutical Society of Great Britain. British National Formulary. 63th ed. London: BMJ Publishing Group, APS Publishing, 2012. Disponível em: http://www.medicinescomplete.com Acesso em: 06.07.2012.
2. van Noord C, Dieleman JP, van Herpen G, Verhamme K, Sturkenboom MC. Domperidoneventricular arrhythmiasudden cardiac death: a population-based case-control study in the Netherlands. Drug Safety 2010; 33: 1003–1014.
3. Johannes CB, Varas-Lorenzo C, McQuay LJ, Midkiff KD, Fife D. Risk of serious ventricular arrhythmiasudden cardiac death in a cohort of users of domperidone: a nested case-control study. PharmacoepidemiologyDrug Safety 2010; 19: 881–888.
4. Straus SM, Sturkenboom MCJM, Blemink GS, Dieleman JP, van der Lei J, de Graeff PA, et al. Non-cardiac QTc-prolonging drugsthe risk of sudden cardiac death. European Heart Journal 2005; 19: 2007–2012.
5. De Bruin ML, Langendijk PN, Koopmans RP, Wilde AA, Leufkens HGM, Hoes AW. In-hospital cardiac arrest is associated with use of non-antiarrhythmic QTc-prolonging drugs. British Journal of Clinical Pharmacology 2007; 63: 216–223.
6. Moayyedi P, Delaney B. GORD in adults. ClinicalEvidence 2008; 06: 403.
7. Prescrire International. Domperidone: ventricular arrhythmiasudden death (continued). Rev. Prescrire 2012; 32(341): 196-197.
8. World Health Organization. Domperidone: Association with serious ventricular arrhythmiassudden cardiac death.
WHO Pharmaceuticals Newsletter 2012; 2: 7.


Última atualização: 1/4/2015

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
21 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital